Livros, Resenhas

Resenha: O Mundo de Sofia, de Jostein Gaarder

Título: O Mundo de Sofia

Autor: Jostein Gaarder

Editora: Seguinte

Páginas: 568

Sinopse: Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões-postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam a Sofia quem é ela e de onde vem o mundo. Os postais são enviados do Líbano, por um major desconhecido, para uma certa Hilde Møller Knag, garota a quem Sofia também não conhece.
O mistério dos bilhetes e dos postais é o ponto de partida deste romance fascinante, que vem conquistando milhões de leitores em todos os países e já vendeu mais de 1 milhão de exemplares só no Brasil. De capítulo em capítulo, de “lição” em “lição”, o leitor é convidado a percorrer toda a história da filosofia ocidental, ao mesmo tempo que se vê envolvido por um thriller que toma um rumo surpreendente.

Muitas coisas andaram acontecendo no blog nas últimas semanas, e tenho muito que quero contar para vocês:  agora eu faço parte da equipe incrível de colaboradores do blog I Love My Books, e o blog agora é parceiro de ação da Companhia das Letras! Então, não se assustem se as resenhas começarem a ficar um pouco maiores por aqui, ou se surgirem algumas surpresas durante o ano… Fico muito feliz em anunciar isso, e também por, após muitos anos querendo ler esse livro, finalmente, no ano passado, ter conseguido lê-lo e ter a chance de apreciar a grande obra que ele é!

Sofia estava voltando para casa da escola, parecia ser mais um dia comum, quando ao pegar as cartas da caixa do correio, depara-se com uma endereçada a si. Aquela seria a primeira de muitas que iriam mudar o seu modo de olhar para a vida de uma vez por todas.

“’Quem és tu?’

Se ela soubessse! Era obviamente Sofia Amundsen, mas quem era Sofia Amundsen?”

Um estranho estava iniciando-a em um curso de filosofia, fazendo perguntas sobre a vida e o mundo, ao mesmo tempo em que outro lhe mandava cartas do Líbano endereçadas a uma tal de Hilde Møller Knag, que fazia aniversário num dia bem próximo ao de Sofia. Tudo isso cerca de um mês antes do seu aniversário de 15 anos. Algo estranho estava acontecendo, e de alguma forma ela acreditava que tudo estava interligado.

Com a chegada desse curso de filosofia, ela não dava mais atenção ao que lhe era ensinado na escola ou às outras coisas com que a maioria das pessoas se preocupavam, pois nada disso parecia ser tão importante quanto as questões propostas por aquele estranho, que todo dia deixava novos postais. As outras coisas pareciam banais diante da proporção das perguntas que continuavam sem uma resposta definitiva, e que levava tantos pensadores a estudar mais e a refletir mais a cada dia.

Nem mais andar e conversar com sua melhor amiga, Jorunn, lhe parecia tão interessante, e logo que saía da escola Sofia desejava chegar logo em casa para olhar a caixa do correio e ver qual seria a próxima lição.

O que eu achei:

Quando me falaram que este seria um romance da filosofia, eu certamente não esperava que esse fosse um livro que tratasse de todo um resumo da filosofia, e ainda de uma forma um tanto romantizada, no sentido de exaltar essa ciência. Foi um choque no inicio, pois eu pensei que ele seria somente sobre a história de Sofia, mas foi algo bem mais profundo do que isso.

“Certa vez, um cosmonauta e um neurocirurgião russos discutiam sobre religião. O cirurgião era cristão, o cosmonauta não. ‘Eu já estive várias vezes no espaço’, gabava-se o cosmonauta, ‘mas não vi nem Deus nem anjos’. ‘E eu já operei muitos cérebros inteligentes’, respondeu o cirurgião, ‘e também não encontrei em lado algum um único pensamento’.”

Começamos com uma narrativa sobre o dia a dia de Sofia, e o recebimento das primeiras cartas com questionamentos relacionados ao tema da próxima lição. Porém, conforme chegam os postais com as lições, todas elas nos são mostradas no livro, como se fosse um curso para nós ao mesmo tempo em que é para a protagonista.

Uma grande síntese, do começo da filosofia até o momento em que o livro foi escrito, começa a ser exposta, de uma forma sucinta, leve e interessante, enumerando vários dos grandes pensadores que contribuíram para o desenvolvimento dessa área durante o decorrer da história, desde Tales de Mileto até Jean-Paul Sartre, incluindo outros grandes nomes relacionados também à ciência e à literatura. Tudo isso promovendo uma boa revisão do que se é estudado nas aulas de filosofia nas escolas, além de um pouco mais e de uma forma diferenciada.

“Querida Hilde! Mesmo que o cérebro humano fosse tão simples que nós o pudéssemos compreender, seríamos mesmo assim tão estúpidos que não o compreenderíamos.”

Também não pensem que esse livro irá falar somente disso, ou que se tornará tedioso dessa forma. Pelo contrário, acompanhamos também a protagonista em seu dia a dia, e o que ela pensa a respeito do que está vendo e aprendendo. E toda vez em que fala sobre a história da filosofia, o autor tenta justamente abordar o assunto com mais dinâmica, e acaba esclarecendo e simplificando conceitos que antes muitas vezes parecem abstratos quando os aprendemos nas aulas, usando de vários exemplos no cotidiano de Sofia, que nos levam a refletir e a chegar a tais conceitos, na maioria das vezes, usando a nossa própria razão.

Foram apresentados vários personagens, dos quais os principais eram Sofia e seu misterioso professor filósofo, que muito dialogavam durante a narrativa, e tiveram um grande papel. E, apesar de não ter me apegado muito a eles, o livro me prendeu de tal forma que eu ansiava saber o que viria a seguir, e me instigava a continuar acompanhando tudo o que estava acontecendo com eles. Certamente não fui decepcionada, o final foi inesperado, ainda que um pouco previsível em alguns aspectos e um tanto quanto estranho, e leva o leitor ainda a uma outra reflexão.

“Mesmo quando o mar está calmo, isso não significa que nas profundezas não suceda alguma coisa, pensou.”

Preparem-se para pensar muito, e olhar para um lado que raramente damos atenção em meio a correria do dia a dia. O ponto principal, e que é destacado inúmeras vezes, é a grande importância que a filosofia tem em nossas vidas, e como devemos prestar mais atenção e questionar mais a respeito daquilo que está acontecendo ao nosso redor.

Realmente, O Mundo de Sofia não era exatamente o que eu esperava, mas me surpreendeu bastante, e serviu de uma boa revisão de tudo o que havia estudado sobre o assunto. A escrita do autor é fluida e os únicos fatores que podem fazer com que essa leitura seja mais demorada é a quantidade de informações inseridas e o número de páginas. Podemos aprender muito com esse livro e, com certeza, é uma leitura que super recomendo a todos!

“Não podemos esperar compreender o que somos. Talvez possamos compreender realmente uma flor ou um inseto, mas nunca nós mesmos. E muito menos podemos esperar compreender todo o universo.”

Classificação: 

Onde comprar: Amazon.

P.S.: Esse livro não foi cedido pela editora, e eu sempre estarei indicando nas resenhas quando algum for.

1 Comment

  1. Jady Santos

    April 12, 2018 at 2:59 PM

    Já li algumas resenhas deste livro, mas acho que esta é mais completa.
    Eu não gostava muito de filosofia, mas me vi gostando um pouco na faculdade, meio que eu tinha uma mente fechada. Mas lenda a resenha fiquei com uma grande vontade de me aventurar no mundo de Sofia e ver no que a historia vai dar e o que vou aprender com ela, digo até que livros assim são quase os melhores da vida.
    Tambem gosto da ideia de colocar este livro para ser lido nas escolas. As crianças tem que ler mais.
    Beijos, Jady

    Garota, Era uma vez
    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

Leave a Reply